Cleantech startups: Utilidades alemãs que fazem a ponte entre o vale da morte?

23 May 2017 por Dr. Marius Buchmann
Cleantech startups: Utilidades alemãs que fazem a ponte entre o vale da morte?

No período de 2006-2008 a tecnologia limpa foi um dos temas mais debatidos pelos fundos de capital de risco. No MIT, Gaddy et al (2016) compararam os dados da tecnologia limpa com dois outros setores tecnológicos: Software e Medicina. Em 2010, o Google adquiriu a Nest, que é a única razão pela qual a TIR em 2010 para a cleantech está acima de -25%. As duas primeiras razões podem explicar porque a tecnologia limpa tem um desempenho inferior ao das startups de software e porque a maioria das startups fora do setor de tecnologia limpa estão se concentrando em produtos ou serviços digitais. Os altos custos de investimento para RandD e produção também são necessários para o setor médico.

Os serviços públicos menos ativos vêm da Europa, com dois serviços públicos alemães (E.on e RWE) entre os 5 primeiros. A análise deste artigo se resume a isto: O RES na Alemanha reduz o preço médio (-50% entre 2008 e 2014) da geração de eletricidade vendida através do mercado spot, o que reduz a receita para as usinas convencionais de energia.


Conteúdo relacionado   #tecnologias verdes  #startups tecnológicos  #startups médicos 


4 razões pelas quais a Cleantech startups falhou no passado

Iniciar uma nova empresa no sector da energia, especialmente no ramo da tecnologia limpa, é arriscado e de vez em quando não tem sucesso. Ainda assim, no período de 2006-2008, a tecnologia limpa foi um dos tópicos quentes para os fundos de capital de risco.

John Doerr, sócio da proeminente empresa Kleiner Perkins, do Vale do Silício VC, anunciou numa palestra da TED de 2007 que, "As tecnologias verdes - verdes - são maiores do que a Internet. Pode ser a maior oportunidade económica do século XXI".

Basicamente, este entusiasmo sobre tecnologias limpas foi impulsionado pelos preços elevados do petróleo, que se previa que aumentariam ainda mais e muito mais do que 100$/barril. Hoje em dia, sabemos que estas expectativas não foram cumpridas.

Os startups da Cleantech também não foram capazes de satisfazer as elevadas expectativas. No MIT Gaddyet al (2016) compararam os dados da tecnologia limpa com dois outros sectores tecnológicos: Software e Médico. A partir destes dados podemos aprender que as startups da Cleantech tiveram um desempenho muito fraco em comparação com as startups dos outros sectores (embora os dois sectores tivessem um ambiente comparável para startups).

Figure 1: Risk and reward for cleantech investors compared to software and medical technologies (source: Gaddy et al. (2016))

Figura 1: Risco e recompensa para investidores da cleantech em comparação com o software e tecnologias médicas (fonte: Gaddy etal. (2016))

A figura 1 ilustra a taxa relativamente elevada de falhas de arranque de tecnologia limpa, bem como a resultante baixa Taxa Interna de Retorno (TIR). Em 2010, a Google adquiriu a Nest, que é a única razão pela qual a TIR em 2010 para a cleantech está acima dos -25%.

Agora, quais são as razões pelas quais os startups de tecnologia limpa lutam tanto?

Gaddy et al (2016) identificam quatro razões que nos ajudam a compreender por que razão a cleantech startups tem um desempenho tão mau em comparação com o software e as startups médicas.

  1. A Cleantech Development precisa de tempo (normalmente mais do que os 3-5 anos que são esperados pelos fundos de capital de risco)
  2. Cleantech é caro de escalar, pois precisa de grandes fábricas mesmo antes do seu produto estar finalizado
  3. Cleantech concentra-se nos mercados de produtos de base com elevada concorrência e margens baixas, o que reduz a capacidade de investir em Investigação e Desenvolvimento
  4. A Cleantech atrasa as empresas em actividade que estão dispostas a assumir o risco e a adquirir start-ups

As duas primeiras razões podem explicar porque é que a tecnologia limpa tem um desempenho inferior ao das startups de software e porque é que a maioria das startups fora do sector da tecnologia limpa estão a concentrar-se em produtos ou serviços digitais. Mas também para o sector médico são necessários elevados custos de investimento em I&D e produção. Aqui, a tecnologia limpa perde a comparação devido à última razão mencionada acima. Enquanto as empresas do sector médico sempre estiveram dispostas a investir em startups para colmatar a lacuna entre o capital de risco e o mercado de massas, os serviços de energia não o estavam. Assim, a Cleantech startups entrou novale da morte entre a prototipagem e os mercadosde massa.Mas isto está a mudar.

O investimento das empresas de serviços públicos em startups está a aumentar

Desde 2013, os serviços públicos nos EUA e na UE aumentaram os seus investimentos de capital de risco, bem como as suas actividades de aquisição. Enquanto os investimentos de 2013 e 2014 foram consideravelmente mais elevados do que no período de 2010 e 2012, a verdadeira acção teve lugar em 2015 e 2016, de acordo com os dados da GTMResearch. Este desenvolvimento está resumido na figura 2.

Figure 2: Utiliy Investments in Distributed Energy Companies in the US and EU, 2010-2016 (source: GTM Research, 2017)

Figura 2: Investimentos em Empresas de Energia Distribuída nos EUA e na UE, 2010-2016 (fonte: GTMResearch, 2017)

É importante notar que os números comunicados pela GTM Research são provavelmente apenas uma fracção dos investimentos reais, uma vez que estes são frequentemente confidenciais. Ainda assim, a figura 2 ilustra bastante bem que os serviços públicos expandiram significativamente os seus investimentos em negócios relacionados com as FER nos últimos anos. Uma grande parte dos serviços de utilidade pública mais activos vem efectivamente da Europa, com dois serviços de utilidade pública alemães (E.on & RWE) a figurar entre os 5 primeiros.

Figure 3: Top Five Utility distributed energy investment portfolios (source: GTM Research 2017)

Figura 3: Carteiras de investimento de energia distribuídas pelas cinco maiores empresas de serviços públicos (fonte: GTMResearch 2017)

Devido à transição energética, podemos esperar que os serviços públicos alemães tenham uma vantagem local quando se trata de investimentos em cleantech em comparação com empresas de regiões onde o fornecimento de electricidade renovável (FER) tem menos relevância. Vamos analisar brevemente a situação na Alemanha e o que mudou aqui.

Três razões pelas quais a Alemanha pode tornar-se a incubadora #1 de empresas de cleantech startups

1. Canibalismo Problema de FER resolvido

Até 2015, os serviços públicos alemães estavam bastante relutantes em investir em FER e em empresas cuja actividade se centrava exclusivamente nestas tecnologias. Isto deveu-se principalmente ao facto de que um investimento em FER teria resultado no canibalismo das empresas convencionais de produção de energia. Nestepapeldiscutimos como as empresas de serviços públicos na Alemanha foram desafiadas pelas FER e como tentaram adaptar-se a esta situação a partir de 2015. Em resumo, a análise deste documento resume-se a isto: As FER na Alemanha reduzem o preço médio (-50% entre 2008 e 2014) da produção de electricidade vendida através do mercado à vista, o que reduz as receitas das centrais eléctricas convencionais. Desde 2010, estas reduções de preços atingiram um nível em que se torna difícil para as centrais eléctricas convencionais operar pelo menos numa base de cobertura de custos. Por conseguinte, um investimento por parte de um serviço público em FER ou negócios relacionados com FER resultaria numa maior redução das receitas do negócio convencional, razão pela qual falamos de canibalismo neste contexto.

Em consequência, as instalações concentraram-se nos seus negócios convencionais e hesitaram em investir em negócios relacionados com as FER. A partir de 2015, as duas maiores empresas de serviços públicos na Alemanha alteraram a sua estratégia. E.on bem como a RWE dividiram as suas empresas em duas sucursais independentes: Uma empresa centrada no negócio de geração convencional (uniper no caso de E.on e RWE) e uma empresa para FER, comércio a retalho e operação de rede (E.on e innogy no caso de RWE). Com estas divisões, o problema do canibalismo tornou-se obsoleto: a inogy e a E.on não têm agora quaisquer centrais eléctricas convencionais na sua carteira, dando-lhes a liberdade de investir em negócios relacionados com FER e FER.

2. Os serviços públicos estabelecem novos processos de inovação

Para além da mudança da estrutura organizacional, tanto a Inogy como a E.on aplicaram novos processos de inovação. Embora as startups e os investimentos de arranque não tenham desempenhado um papel enorme no sector dos serviços públicos alemão, isto mudou em certa medida desde 2015. Muitos serviços públicos alemães estabeleceram programas aceleradores para startups de energia, entre eles o E.on e o innogy. Embora estes desenvolvimentos ainda estejam no início, constituem um marco no sentido de um negócio energético mais orientado para a inovação.

3. Digitalização reduz o tempo de desenvolvimento e os investimentos iniciais

Paralelamente a estes desenvolvimentos do lado do investidor, outro carácter muito fundamental da cleantech está a mudar neste momento: Devido à crescente digitalização, as inovações levam menos tempo e dinheiro. Para mais detalhes sobre a digitalização, no sector energético alemão dê uma vista de olhos ao nosso postoaqui.

Até agora, a cleantech tem estado limitada à produção ou, em alguns casos, ao consumo de bens como os geradores de energia. Agora, com a contagem inteligente e outros bens de rede inteligentes, tornam-se disponíveis dados sobre o consumo de energia, a produção e a infra-estrutura da rede. As Startups podem fazer uso destes dados para desenvolver novos modelos de negócio. Desta forma, a inovação passa de tecnologias com investimentos elevados para aplicações digitais menos dispendiosas. Sabemos pelo sector das telecomunicações que uma mudança de um processo de inovação de capital intensivo para modelos de negócio orientados para os dados pode acelerar o processo de inovação. Talvez assistamos também a um desenvolvimento de mercado dinâmico semelhante dentro de uma economia de energia digital. Por agora, podemos pelo menos concluir que a digitalização em curso do sector da energia ajuda a enfrentar dois desafios-chave para as empresas de cleantech startups no passado e duas razões principais para o vale da morte para as empresas de cleantech startups: longo tempo de desenvolvimento e elevados investimentos iniciais em instalações de produção.

Conclusão

Se estas crescentes actividades de investimento dos serviços públicos, juntamente com as primeiras tentativas de digitalização do sector energético, serão já suficientes para superar o "vale da morte" para as empresas de cleantech startups, não podem ser respondidas da perspectiva actual. Mas pelo menos há alguma luz no horizonte para o ramo de arranque relacionado com a cleantech- & RES.

Quais são as suas expectativas? Veremos em breve uma mudança significativa na cena de arranque da cleantech relacionada com a energia na Alemanha? Quais são os principais obstáculos do seu ponto de vista? Tem exemplos que mostram a abordagem de inovação em mudança dos serviços públicos alemães?

Originalmente publicado aqui