Política & Regulação Gestão de Energia

O papel da indústria na abordagem das alterações climáticas

06 Fevereiro 2020 por Rod Janssen
O papel da indústria na abordagem das alterações climáticas

A conferência sobre o clima em Madrid, no passado mês de Dezembro, destacou os desafios que se avizinham porque se conseguiu tão pouco. E temos de conseguir. Há muito a fazer tanto para a mitigação como para a adaptação. Para nós que trabalhamos na mitigação - principalmente na eficiência energética - sabemos que muito mais precisa de ser feito.

Na Europa, saudamos o Acordo Verde Europeu, mas a Coligação para a Poupança de Energia teve razão em dizer recentemente que o Acordo Verde precisa de um quadro político de eficiência energética mais forte. A Coligação apelou a uma implementação mais forte, objectivos e medidas mais fortes, o que significa que precisamos de mais de tudo em todos os sectores de utilização final.

O pacote de energia limpa da UE para todos os europeus foi adoptado em 2019 - que inclui, inter alia, revisões às principais directivas sobre eficiência energética e à directiva sobre energias renováveis - e entrou em vigor em meados de 2019. Os Estados-Membros têm 1-2 anos para transporem as directivas para o direito nacional.

Olhando simplesmente para a indústria, foi perturbador ver um novo relatório que saiu a 3 de FevereirodaIniciativa Global de Transição. O relatório analisava os sectores do papel, cimento, aço, alumínio e produtos químicos.

As principais conclusões são as seguintes:

  • Apenas 19% das maiores empresas industriais listadas estão alinhadas com um caminho para manter o aquecimento global a 2 graus C ou abaixo
  • 29% deverão alinhar as suas emissões com os compromissos de Paris até 2030 - acima dos 24% em 2018. Duplicou para as empresas cimenteiras.
  • Não houve qualquer melhoria no desempenho do carbono dos sectores do alumínio ou do aço, e a indústria como um todo está a avançar demasiado lentamente para limitar o aquecimento a 2 graus ou menos.

Há alguns sinais encorajadores:

  • A proporção de empresas que divulgam as suas emissões aumentou de 61% em 2018 para 76%. Grande parte desta melhoria provém de empresas listadas na Ásia (especialmente na China) e na Rússia.
  • Mais empresas estão a estabelecer objectivos de redução a longo prazo.
  • São visíveis melhorias particulares nos sectores do cimento e do papel.

Na Europa temos várias oportunidades para discutir como podemos fazer com que a indústria faça da eficiência energética uma prioridade mais elevada.

  • No dia 5 de Março, as Jornadas Mundiais da Energia Sustentável em Wels, Áustria, têm a suaconferência sobre eficiência energética industrial. A independência em relação à energia fóssil está a tornar-se um factor chave para a competitividade industrial. Após a automação e digitalização, "Industry 5.0 - decarbonisation" irá caracterizar o próximo grande passo na transformação industrial. A conferência apresenta programas das três principais potências económicas mundiais, preparando o caminho para a transição da energia industrial. A conferência também explica como a I&D, a inteligência artificial e a colaboração global podem ser importantes agentes de mudança de jogo para a transição energética industrial. Em seguida, três empresas industriais líderes mostram como permanecer competitivas num mundo em mudança através da transição energética.
  • O Energy Efficiency Financial Institutions Group (EEFIG ) , uma iniciativa da Comissão Europeia e da UNEP FI, está a criar um grupo de trabalho sobre eficiência energética industrial. Este grupo de trabalho avaliará as práticas industriais relacionadas com a eficiência energética, identificará e avaliará os principais obstáculos e motores para melhorar a eficiência energética na indústria, identificará as melhores práticas e fornecerá recomendações à DG ENERGY sobre quais as ferramentas e instrumentos políticos mais eficazes para aumentar os investimentos em eficiência energética na indústria. Mais informações estarão disponíveis muito em breve.
  • DecarbEurope é um ecossistema de 20 sectores, unindo forças numa campanha multi-canal dos meios de comunicação social. Foi iniciada em 2017 pelo Instituto Europeu do Cobre (ECI), com o apoio de várias associações industriais e parceiros dos meios de comunicação social. O objectivo da DecarbEurope é envolver os decisores políticos e industriais com soluções que possam, de uma forma rentável, descarbonizar a Europa à escala e velocidade necessárias para atingir os nossos objectivos climáticos. iniciativa liga tecnologias, políticas, e mercados num roteiro intersectorial para uma economia de baixo carbono. Os parceiros da DecarbEurope comprometem-se com os valores comuns que estão a impulsionar esta transição: descarbonização, relação custo-eficácia, circularidade, acoplamento sectorial, e envolvimento dos consumidores.
  • O Conselho Europeu para uma Economia Energética Eficiente (eceee)organiza uma conferência de 16-18 de Junho de 2020 em Gotemburgo, Suécia. Eficiência Industrial 2020 irá explorar as tendências actuais e emergentes na indústria, tais como novos modelos de negócio, digitalização, indústria 4.0, a economia circular e eficiência de recursos, e discutir o significado destas tendências para a realização da descarbonização. Os múltiplos benefícios da eficiência energética são de particular interesse. Haverá cerca de 120 apresentações em seis painéis.

Há muito a fazer para assegurar que a melhoria da eficiência energética ajuda o sector industrial a cumprir as suas obrigações climáticas. Esperamos que se envolva numa das iniciativas acima mencionadas. E se estiver envolvido numa iniciativa separada, por favor informe-nos.


Sobre Rod Janssen

Janssen

Rod Janssen é o Presidente da Eficiência Energética em Processos Industriais (EEIP). Rod é também membro de vários Grupos de Direcção e conselhos como o Grupo de Direcção do ICP Europe, o conselho consultivo do SEIF e o conselho da ECEEE.


Conteúdo relacionado