Entrevista a Rod Janssen - "Não podemos vender em excesso a eficiência energética"

10 December 2018 por Cristina Florensa
Entrevista a Rod Janssen - "Não podemos vender em excesso a eficiência energética"

A eficiência energética costumava ser o primo pobre das energias renováveis. Ao contrário das energias renováveis, as metas de eficiência não eram vinculativas. Hoje, mais formuladores de políticas afirmam que a eficiência energética deve vir em primeiro lugar. O presidente do EcoIP* Rod Janssen: A eficiência energética percorreu um longo caminho desde os anos 70. Ele diz que as PMEs precisam mais do que dinheiro. Elas precisam de apoio para ter acesso ao dinheiro. Os Dias Mundiais da Energia Sustentável em Wels, Áustria, são o melhor momento para aprender e discutir as melhores práticas. Clique aqui para mais informações sobre a eficiência energética na UE e na União Europeia. Nos E.U.A.

Voltar à página de onde veio: www.eco.uk/ Eficiência Energética. No Reino Unido, clique aqui para a última edição de Eficiência Energética: O Parlamento Europeu. Relatório: A Comissão Europeia sobre Eficiência Energética, publicado pela EcoEIP* sobre a Comissão Europeia: O Registo Mundial da Energia. Para mais informações sobre Eficiência Energética.


Conteúdo relacionado   #alimentação industrial  #energias renováveis  #melhores ideias 


Publicado pela primeira vez aqui.

Entrevista Eficiência Energética

ACIMA DO RADAR

 

"Não podemos exagerar na eficiência energética", diz o Presidente da EEIP* Rod Janssen. Mas com o Sistema de Gestão de Energia ISO 50001, e a Directiva de Eficiência Energética em vigor, é evidente para todos que a Eficiência Energética se tornou um importante factor económico e industrial muito para além da protecção climática. Para Janssen, o melhor evento para aprender e discutir as melhores práticas, são os Dias Mundiais da Energia Sustentável em Wels, Áustria.

Obras de Comunicação: A eficiência energética costumava ser o primo pobre das energias renováveis. Ao contrário das energias renováveis, os objectivos de eficiência não eram vinculativos. Actualmente, mais decisores políticos afirmam que a eficiência energética deve estar em primeiro lugar. O que é que mudou?

Rod Janssen: A eficiência energética percorreu um longo caminho desde que o debate começou com a primeira crise petrolífera nos anos 70. Todos nos lembramos de alguns domingos sem veículos. Mas também sabemos como foi: As pessoas receavam que a poupança de energia pudesse prejudicar a economia. A utilização de energia e o crescimento económico estavam muito interligados.

É também por isso que a eficiência energética costumava ser medida como intensidade energética: utilização de energia por unidade de produção económica. É muito difícil ter um objectivo vinculativo para isso.

Eficiência Energética em Primeiro Lugar

Como é que é hoje?

Agora é comummente assumido que o crescimento económico e a utilização de energia podem ser dissociados e também sabemos o que a Eficiência Energética pode fazer para cumprir as nossas obrigações climáticas em Paris.

Por conseguinte, o Parlamento Europeu adoptou uma abordagem muito mais ambiciosa da Eficiência Energética. A Comissão tem sido um pouco mais lenta. Os Estados-Membros são os que efectivamente têm de implementar as políticas e são responsáveis pelo cumprimento dos objectivos. Por isso, tendem a ser mais conservadores. É provavelmente por isso que o Conselho tem sido muito mais lento.

Dito isto, cumpriram a meio caminho e concordaram em dar à Eficiência Energética um perfil muito mais elevado, concordando com um objectivo de 32,5% com uma cláusula de revisão ascendente. Além disso, o objectivo é agora a poupança de energia primária. Isto facilita o acompanhamento dos desenvolvimentos, mesmo que o objectivo ainda não seja vinculativo: Estamos agora finalmente a falar de Eficiência Energética. Primeiro.

Portanto, o que estás a dizer é: Agora é a sério. Não está apenas no papel.

Temos de ter cuidado porque não podemos vender em demasia a Eficiência Energética. Mas um relatório da AIE de 2015 já mostrou que existem muitos benefícios não energéticos. Por exemplo, os benefícios para a saúde à medida que a qualidade do ar melhora. Há também benefícios em termos de competitividade que compreendemos melhor agora.

Competitividade industrial

Existem grandes potenciais inexplorados para melhorar a Eficiência Energética, especialmente nas indústrias de energia intensiva. Mas sectores como a indústria química, a siderurgia ou as fábricas de pasta de papel e papel têm sido relutantes no passado em tomar medidas. O que é preciso para os motivar?

Existe um grande potencial. Não há dúvida quanto a isso. E muita coisa já aconteceu nestas indústrias intensivas em energia sob o radar. Mas as grandes indústrias intensivas em energia estão muito conscientes do que está a acontecer na Ásia ou na América. Elas não vão deixar que os seus concorrentes as dominem.

Para ser mais atractiva, a Eficiência Energética deve ser vista como um equipamento estratégico em si mesmo para aumentar a competitividade. Deve ser discutida ao nível da gestão de topo e tratada seriamente como uma decisão estratégica.

Penso também que com o aumento dos preços do CO2, o regime de comércio de emissões desempenhará um papel mais forte no aumento da eficiência no futuro.

E as pequenas e médias empresas?

Isto é um problema. A Europa tem muitas PME, o mundo tem muitas PME, mas a sensibilização para a importância de melhorar a eficiência energética não existe. A maioria dos governos nacionais está muito mais concentrada nas grandes indústrias de elevada intensidade energética.

Mesmo que as 30 maiores empresas possam ser responsáveis por 80% do consumo de energia industrial, existe um grande potencial de poupança de energia com as PME. São também um motor de criação de emprego e bem-estar geral nas regiões, pelo que é importante apoiá-las.

"As PMEs precisam de mais do que dinheiro. Elas precisam de acesso".

O que sugere que se faça?

As PMEs podem precisar de uma espécie de "One Stop Shop" onde possam falar tanto sobre questões técnicas como financeiras. Esse papel poderia ser plaqueado, por exemplo, por agências de energia nacionais ou regionais, como existe na Alta Áustria.

Muitas vezes as PMEs não sabem como construir um argumento comercial para um investimento em eficiência energética. Não estão conscientes das possibilidades de recorrer a uma Empresa de Serviços Energéticos. Tal intermediário é muitas vezes valioso para construir um caso mais convincente para um banco.

Os Estados-membros devem estabelecer estratégias de desempenho energético a longo prazo para as PMEs em intervalos regulares. Tal como os Estados-Membros são obrigados pela Directiva dos Edifícios a desenvolver estratégias de renovação a longo prazo dos edifícios e a actualizá-las de três em três anos. Isso forçá-los-ia a consultar as PMEs e a indústria no seu conjunto.

Só a concessão de financiamento pela União Europeia e por muitos Estados-Membros não é suficientemente boa. As PMEs precisam de apoio para ter acesso ao dinheiro. Hoje em dia, a quantidade de papelada ou a complexidade dos procedimentos é demasiada para elas.

As três maiores realizações na Eficiência Energética industrial

Disse o senhor: "muita coisa tem acontecido sob o radar". Quais são as três maiores realizações em Eficiência Energética industrial nos últimos 10 anos?

A mudança mais significativa nos últimos 10 anos foi a introdução dos Sistemas de Gestão de Energia, a ISO 50001. Esta mudança muda a cultura dentro de uma empresa no sentido da eficiência energética, das energias renováveis e da gestão da energia como um todo.

No passado, a maioria das grandes empresas teria um gestor de energia escondido algures no chão de fábrica. A ISO 50001 adopta uma abordagem mais abrangente desde a direcção da empresa até às pessoas que trabalham na fábrica. Na Alemanha e em muitos outros países, tem decolado bem e tornou-se muito popular.

Terá a legislação europeia tido alguma influência?

O segundo desenvolvimento importante foi a substituição da Directiva de Poupança de Energia pela Directiva de Eficiência Energética até 2012. Esta foi a primeira vez que a Comissão Europeia introduziu um instrumento de eficiência energética para o sector industrial com auditorias obrigatórias para as grandes empresas industriais.

Os Estados-Membros realizaram agora a primeira ronda de auditorias obrigatórias de eficiência energética. E enquanto a Directiva apenas a tornou obrigatória para as grandes indústrias, alguns países, como a Itália, também incluíam PMEs de maior dimensão. Se esta primeira ronda foi bem sucedida ou não, não é tão importante. O grande passo foi colocar o sector industrial numa curva de aprendizagem.

A Directiva também forneceu algumas primeiras orientações às PMEs e encorajou a recuperação do calor residual dos processos industriais.

E a terceira realização?

O terceiro instrumento importante foi o sistema de comércio de emissões como motor para uma maior eficiência energética. Embora, até à data, ainda não tenhamos visto resultados suficientes para promover a eficiência energética.

As melhores práticas globais em Wels

O que é que ainda há a fazer?

O último relatório especial do IPCC deixa claro que não devemos ir além dos 1,5 graus centígrados, por isso precisamos de pôr os olhos neste objectivo.

Algumas pessoas dizem que, em muitos países e sectores, os frutos de baixo peso já não existem. Eu discordo completamente disso. Toda a gente tem ainda mais a fazer!

Tomemos as auditorias obrigatórias que mencionei anteriormente: 90% das medidas recomendadas pelas auditorias energéticas ainda não foram executadas.

A indústria das bebidas e a Bélgica são um bom exemplo. São muito progressistas e estão sempre à procura das formas mais inovadoras de fabricar cerveja. Esta é a cultura que temos de desenvolver: Não podemos descansar sobre os nossos louros e ser felizes com caldeiras com 30 anos.

Deveríamos procurar as melhores práticas a nível mundial. As Jornadas Mundiais da Energia Sustentável realizadas todos os anos em Wels, Áustria, constituem uma excelente ocasião para o fazer.

Para que contribuem eventos como as Jornadas Mundiais da Energia Sustentável?

Estes são os primeiros dias para o sector industrial. Necessita de inspiração de outros sectores. Portanto, as Jornadas Mundiais da Energia Sustentável são importantes para partilhar ideias e aprender uns com os outros. É encorajador ver tantos especialistas e obter tantas análises de todas as partes do Mundo. As pessoas da Comissão estão a ouvir. Recebem informações sobre os resultados de projectos financiados pela UE.

O que é particularmente interessante para os representantes da indústria é a feira comercial onde se pode realmente ver e tocar nas tecnologias e discutir com os fornecedores. As pessoas da indústria adoram isso.

Trabalhamos demasiado em silos. Quando falamos de edifícios, devemos também falar de energias renováveis. Quando falamos de energias renováveis, devemos também falar de eficiência energética, porque elas devem trabalhar em estreita colaboração na nossa transição de energia com baixo teor de carbono. Eventos como o WSED ligam-nas.

 

 

Arregaçar as mangas

Se analisar os projectos em curso, qual acha que poderá ser a próxima inovação revolucionária?

No passado, sempre procurámos aquela coisa que vai ser a inovação revolucionária. Quando eu era mais novo, pensávamos que ia ser a energia nuclear. Acontece que não é. Após a primeira crise petrolífera, pessoas como Jimmy Carter pensavam que as energias renováveis fariam o truque rapidamente. Mas bem, demorou um pouco mais. Mas acredito seriamente que o pioneiro está em utilizar toda a gama de medidas de uma forma bem concebida e bem pensada. Receio que não haja uma tecnologia única que consiga tudo. Por isso, precisamos de arregaçar as mangas e continuar a entupir.

O que podem fazer organizações como a Eficiência Energética em Processos Industriais?

Quanto à EEIP, começámos em 2011 e construímos uma comunidade a partir do zero. Não havia nada sobre esse tema a nível da UE. Temos agora cerca de cento e quarenta mil pessoas a seguir-nos em diferentes canais de comunicação social. Há um grande interesse.

Publicamos uma revista gratuita três vezes por ano em conjunto com um parceiro. Imprimem 25.000 exemplares que vão para o chão de fábrica.

Fizemos grandes ganhos neste momento. Mas também precisamos de ir além da questão da indústria e olhar para as cidades inteligentes, por exemplo. Estamos também a analisar novas tecnologias, tais como a cadeia de bloqueio e a inteligência artificial.

Qual seria a promessa da sua organização, a EEIP? Ou a sua promessa pessoal?

Mudámos de apartamento em Dezembro passado, e havia 50 lâmpadas de halogéneo no tecto do local. Coloquei todos os LEDs lá dentro. Chega-me naturalmente porque o meu pai era holandês e a minha mãe era escocesa (risos.)

Como organização, somos muito pequenos mas tentamos ser bons cidadãos empresariais sustentáveis. Todos vimos trabalhar nos transportes públicos, e na semana passada o meu relógio Fitbit registou que eu normalmente ando ou corro cerca de 80 km por semana.

Mas a nível da UE e global podemos fornecer uma plataforma para as pessoas expressarem como trabalham na eficiência energética e como querem fazer as coisas no futuro.

Conheça o Mundo e a UE num evento

Tem sido também um apoiante activo dos esforços do WSED para promover o trabalho dos jovens investigadores durante algum tempo. Porque acha que vale a pena participar na conferência de jovens investigadores?

Não conheço nenhum outro evento na Europa que faça isto para jovens investigadores e penso que isto é fundamentalmente importante. Já faço parte do comité científico há muitos anos para avaliar os trabalhos que chegam dos jovens investigadores. Mas pessoas como eu não vão ser os analistas em 2050. Temos de construir novas gerações de investigadores. Eles trazem novas ideias, novas metodologias e novas formas de expressar as coisas.

E para eles é importante poder mostrar o que fizeram num evento como o WSED. Dou todo o crédito à WSED por ter feito isto.

Como é que o seu trabalho beneficia com isso? O que é diferente, quando regressa?

Quando fui convidado pela primeira vez para os Dias Mundiais da Energia Sustentável, não tinha ideia do que esperar. Mas fiquei bastante intrigado e adorei a Feira que o acompanhou. E gostei das pessoas que conheci. Tivemos as discussões mais interessantes de manhã à noite.

Conheceu pessoas de Portugal, da Bulgária ou da Roménia. Verá um orador da Suécia e depois o seguinte é de Itália ou do Canadá. Isto é fantástico.

Em Bruxelas, os membros do Parlamento Europeu e as pessoas da Comissão Europeia andam por aí como loucos. Mas em Wels, eles estão descontraídos e pode falar com eles. Esta é a única vez que se pode falar com eles como seres humanos.

Estou no jogo há muito tempo e devia estar um pouco mais cansado, mas fico entusiasmado.

Christiane e a sua equipa continuam e conseguiram colocar Wels e Upper Austria no mapa. Tiveram participantes de 66 países no ano passado. Isso é de facto bastante impressionante. E ainda por cima, há a comida austríaca.

*EEIP = Eficiência Energética em Processos Industriais

___________

Não se esqueça...

Para mais informações, escreva-me, Rod Janssen, em rod.janssen(at)ee-ip.org

Artigos relacionados

 

Fique atento! As melhores ideias para a eficiência energética e a transição energética...