Finanças

Como é que financiamos a eficiência energética industrial?

13 Julho 2020 por Rod Janssen
Como é que financiamos a eficiência energética industrial?

Após a primeira crise petrolífera, para minimizar o risco de grandes carências, o governo federal dos EUA exigiu que a grande indústria medisse simplesmente a sua utilização de energia para melhor compreender os fluxos de energia dentro das suas instalações, o que acabou por ser incrivelmente bem sucedido na altura.

 

 

 

Hoje enfrentamos uma situação muito diferente, em parte difícil de definir, em parte tão fácil de definir. Abordar a questão das alterações climáticas é o mais importante nos círculos políticos da Europa, mas não é sempre óbvio como conseguir reduções de emissões de GEE. Para a indústria, a UE tem-se concentrado no Sistema de Comércio de Emissões para trazer resultados, mas não tem sido tão bem sucedida na obtenção de eficiência energética. Sim, queremos reduções de emissões de GEE, mas as melhorias da eficiência energética trazem tantos outros benefícios que temos de ter em conta. Discutirei esses aspectos em blogues posteriores.

 

 

 

A UE também exige auditorias energéticas obrigatórias regulares para a grande indústria, mas todas as provas mostram que o investimento nas recomendações tem sido fraco. A UE também quer promover sistemas de gestão de energia (por exemplo, ISO 50001) e tem havido sucesso, mas os resultados levam tempo.

 

Não podemos discutir todas as formas de promover a melhoria da eficiência energética, mas é encorajador ver que os decisores políticos e as partes interessadas estão a trabalhar com instituições financeiras para desbloquear o financiamento. Esta semana o Grupo de Instituições Financeiras de Eficiência Energética (EEFIG) terá uma reunião de um novo Grupo de Trabalho sobre eficiência energética industrial. O EEFIG foi criado pelo trabalho conjunto da Comissão Europeia e da Iniciativa Financeira do Programa das Nações Unidas para o Ambiente (UNEP FI) e saiu com um relatório de referência em 2015 explicando algumas das preocupações sobre financiamento e oferecendo recomendações a todas as principais partes interessadas sobre o caminho a seguir. Agora o caminho é através deste grupo de trabalho.

 

 

 

Os principais objectivos do grupo de trabalho são:

 

  • Identificar e avaliar os principais obstáculos e factores impulsionadores para melhorar a indústria da eficiência energética;
  • Identificar as melhores práticas, as suas principais características e possíveis obstáculos que têm de enfrentar, avaliando o potencial para os replicar em que circunstâncias;
  • Formular recomendações gerais e específicas sobre quais os instrumentos e instrumentos políticos mais eficazes para aumentar os investimentos em eficiência energética na indústria.

 

O que irá acontecer?

 

Haverá uma revisão de 360 graus dos problemas sob todos os ângulos. É fundamental que o problema seja devidamente definido para se saber como resolvê-lo. Durante demasiado tempo, tem havido uma abordagem de cima para baixo na resolução de problemas. O plano aqui é fazer o oposto, deixar a "comunidade industrial" explicar a situação da sua perspectiva. Sim, e deixar a "comunidade" financeira fazer o mesmo. Existe algum problema com a oferta? Haverá um problema com a procura? Há um problema de prioridade? De alguma forma, precisamos de nos debruçar e alcançar efectivamente o que nos propomos a fazer.

 

Nos últimos dias, analisei relatórios da Agência Internacional de Energia escritos após a primeira crise petrolífera, durante a segunda crise petrolífera e depois em meados da década de 1980. Infelizmente, estavam a levantar questões que estamos a levantar agora.

 

O tempo está a passar. Temos de ser muito mais deliberados do que depois das crises petrolíferas da década de 1970. Como diz Fatih Birol, Director Executivo da AIE, temos seis meses para resolver a crise climática. Essas crises petrolíferas da década de 1970 foram sem dúvida um choque, mas não eram existenciais.

 

É excitante que um grupo de peritos se queira reunir esta semana para se debruçar sobre todos os aspectos das políticas e práticas de eficiência energética industrial, para que possamos realmente aumentar os investimentos. O tempo nunca foi tão importante. Agora é o momento de mergulhar no fundo do poço e garantir a sobrevivência de todos nós.

 

A nossa transição energética com baixo teor de carbono requer acções em muitas frentes. Primeiro precisamos de compreender que podemos efectivamente reduzir as emissões de gases com efeito de estufa. As tecnologias estão lá; as técnicas estão lá. Ao reduzir as emissões de gases com efeito de estufa, tem sido demonstrado repetidamente que a redução do consumo de energia através da melhoria da eficiência energética é uma abordagem eficaz. Conseguir que uma ou algumas empresas melhorem o seu desempenho energético é bastante controlável. Mas conseguir um subsector industrial inteiro ou obter todo o sector industrial de uma nação é uma tarefa assustadora.

 

Fique atento. Siga o meu blogue para mais informações.

 


Sobre Rod Janssen

Janssen

Rod Janssen é o Presidente da Eficiência Energética em Processos Industriais (EEIP). Rod é também membro de vários Grupos de Direcção e conselhos como o Grupo de Direcção do ICP Europe, o conselho consultivo do SEIF e o conselho da ECEEE.


Conteúdo relacionado