Gestão de Energia

Formação, desenvolvimento de políticas empresariais e auditorias energéticas, chaves para o sucesso das medidas de eficiência energética nas PME

19 Novembro 2021 por Erika Maugeri
Formação, desenvolvimento de políticas empresariais e auditorias energéticas, chaves para o sucesso das medidas de eficiência energética nas PME

Formação, desenvolvimento de políticas empresariais e auditorias energéticas, chaves para o sucesso das medidas de eficiência energética nas PME

Mariana Fernández, Directora de Comunicação e Formação em Inovações Sustentáveis e Directora de Comunicação do projecto SPEEDIER 04/11/2021

 

DEESME, E2DRIVER, ICCEE, INNOVEAS, SMEmPower Efficiency, SPEEDIER e abordagem Triple-A, de diferentes ângulos, o problema da implementação de medidas de eficiência energética nas PMEs na Europa. No entanto, todas elas identificaram, em várias investigações realizadas através de entrevistas, grupos focais e análises documentais, pontos comuns que lhes permitiram trabalhar numa abordagem global, esclarecedora para a tomada de decisões para ajudar a melhorar a implementação efectiva de medidas de eficiência energética na Europa.

 

O artigo 8º da Directiva Europeia de Eficiência Energética (EED) exige que os Estados-Membros estabeleçam incentivos nacionais para ajudar as PME a realizar auditorias energéticas. Dado que as PME representam 99,98% das empresas europeias e são responsáveis por aproximadamente 13% da procura total de energia, é evidente que têm um enorme potencial para poupar energia e contribuir para a capacidade da UE27 de atingir os seus objectivos colectivos no âmbito da EED de uma melhoria de 32,5% na eficiência energética até 2030. Até à data, pouco deste potencial foi realizado de acordo com vários estudos que estimam que apenas 25% das PME na Europa levaram a cabo uma auditoria energética e uma série de investigações que citam barreiras, incluindo a falta de tempo, conhecimentos especializados internos, financiamento e a baixa prioridade da eficiência energética em comparação com outras necessidades empresariais. O artigo 8 também exige que as grandes empresas realizem auditorias energéticas de quatro em quatro anos, mas um estudo recente sugere que apenas 11% das grandes empresas que realizam uma auditoria pretendem implementar qualquer uma das suas recomendações, sendo que duas em cada cinco empresas citam a falta de financiamento ou de recursos financeiros como razões imperiosas.

 

Neste contexto, um grupo de projectos financiados ao abrigo do programa de investigação e inovação Horizonte 2020 está a trabalhar no sentido de aliviar estas barreiras e assegurar que os objectivos estabelecidos pelo artigo 8º sejam de facto realizáveis.

DEESME, E2DRIVER, ICCEE, INNOVEAS, SMEmPower Efficiency, SPEEDIER e Triple-A abordam, de diferentes ângulos, o problema da implementação de medidas de eficiência energética nas PMEs na Europa. No entanto, todas elas identificaram, em várias investigações realizadas através de entrevistas, grupos de discussão e análise documental, pontos comuns que lhes permitiram trabalhar numa abordagem global, esclarecedora para a tomada de decisões para ajudar a melhorar a implementação efectiva de medidas de eficiência energética na Europa. Desta forma, os sete projectos realizaram uma análise exaustiva em PMEs de sectores tão diversos como alimentação, automóvel, bens e serviços, comércio, construção, educação, hotelaria, manufactura e químicos na Alemanha, Chipre, Eslovénia, Espanha, França, Grécia, Irlanda, Itália, Polónia, Reino Unido e Roménia.

  • DEESME facilita a participação das PMEs na transição energética, potenciando os múltiplos benefícios das abordagens de gestão e auditoria energética, fornecendo às autoridades nacionais e supranacionais orientações e recomendações para reforçar as políticas energéticas.
  • O principal objectivo de E2DRIVER é formar PMEs do sector automóvel e impulsionar programas de capacitação em auditoria energética através do estabelecimento de uma plataforma de aprendizagem inovadora.
  • ICCEE irá acelerar a conversão de oportunidades de eficiência energética em investimentos reais, com especial enfoque nas cadeias de fornecimento envolvendo PMEs europeias através de ferramentas de análise e programas específicos de desenvolvimento de capacidades.
  • INNOVEAS visa conceber e implementar programas de formação e capacitação de pessoal para melhorar a política empresarial no sentido da eficiência energética e cultura e iniciativas de cadeias de abastecimento sustentáveis.
  • Na medida em que SMEmPower Eficiência Energética está preocupado, este projecto irá assegurar que muitas das barreiras existentes à implementação de medidas de eficiência energética sejam removidas através da activação da formação de profissionais e decisores no domínio da energia, peritos de formação de PMEs, empresas de consultoria, instituições financeiras e empresas de serviços energéticos (ESCOs), e especialmente associações de empregadores ou profissionais industriais.
  • SPEEDIER é uma solução única inovadora que aplica uma abordagem integrada à gestão da energia, fornecendo informação, aconselhamento, capacitação, auditoria energética, financiamento, implementação de soluções de eficiência energética e monitorização do impacto.
  • Finalmente, a Triple-A visa ajudar as instituições financeiras e os promotores de projectos a aumentar a sua utilização de capital de eficiência energética, tornando os investimentos mais transparentes, previsíveis e atractivos.

 

Financiamento e seminários de formação necessários para a eficiência energética nas PME

O principal obstáculo à implementação de melhorias de eficiência energética para as PME é identificado como a falta de financiamento ou o desconhecimento de subsídios, empréstimos, ou regimes nacionais de apoio, embora a possível sobrecarga de trabalho também desempenhe um papel. Outra constatação notável foi que as PMEs tendem a não realizar auditorias porque não estão confiantes de que as potenciais poupanças resultantes das medidas de eficiência compensem o esforço ou as despesas envolvidas na realização da auditoria. As PME participantes expressaram uma preferência pela externalização da gestão energética para um consultor energético externo, uma vez que a maioria não tem um gestor energético.

Apesar desta preferência, a falta de confiança em alguns auditores sugere a necessidade de identificação das empresas obrigadas a submeter-se a auditorias, o cumprimento efectivo e a qualidade destas auditorias, alcançando um compromisso entre o esforço de informação e o acompanhamento, aumentando a adopção de medidas e a criação de esquemas de apoio, bem como a sensibilização para as oportunidades de eficiência energética.

Esta falta de conhecimento das fontes de financiamento e do retorno do investimento gerado leva as PMEs a estarem interessadas em seminários de formação para as ajudar a melhorar as suas competências em eficiência energética e a sua implementação a todos os níveis da empresa.

Outro dos pontos de vista analisados é o económico e o investimento. A este respeito, as análises efectuadas indicaram que os proprietários de edifícios tendem a não avaliar o desempenho energético dos seus activos quando não existe tal exigência legal. Apenas uma minoria dos edifícios tem um Certificado de Desempenho Energético (EPC) voluntário, em parte porque não é legalmente exigido e, adicionalmente, porque há uma falta de incentivos para os proprietários. Embora a elevada eficiência energética de um edifício possa influenciar significativamente os investimentos de capital a longo prazo, o custo elevado, a falta de capital e a falta de vias de financiamento padronizadas desencorajam os proprietários dos edifícios de implementar medidas de eficiência energética. No entanto, algumas adaptações, tais como as relacionadas com a envolvente do edifício, ventilação, ar condicionado e aquecimento (AVAC), e luminárias, podem aumentar o valor da propriedade quando implementadas. Infelizmente, como a maioria das PMEs utiliza os seus próprios recursos para financiar investimentos em eficiência energética, dão prioridade a medidas de eficiência energética de baixo custo, tais como iluminação LED, a curto prazo.

 

O artigo original em língua espanhola está disponível online na revista "El Instalador".


Sobre Erika Maugeri

Maugeri

Erika é italiano e trabalha como Gestor de Projectos e Comunicações na EEIP. Com uma formação enraizada em comunicação estratégica e relações internacionais, é profundamente apaixonada pelas questões energéticas e ambientais. É uma entusiasta dos media sociais e tem experiência na gestão de projectos e eventos.


Conteúdo relacionado