Política Nacional e Regional Programas de financiamento Projectos

Indicadores e factores comuns que ajudam a determinar o impacto dos projectos da UE que promovem a eficiência energética

16 Junho 2021 por Alexander Kauffmann
Indicadores e factores comuns que ajudam a determinar o impacto dos projectos da UE que promovem a eficiência energética

Um estudo sobre 41 projectos de eficiência energética financiados pela UE em toda a Europa analisou a poupança de energia primária, a poupança de gases com efeito de estufa (GEE), o investimento desencadeado, os intervenientes no mercado com maiores competências em questões energéticas, e a energia renovável gerada.

 

Os projectos receberam 58,5 milhões de euros de financiamento dos programas Intelligent Energy Europe II (IEE-II) e Horizon 2020 (H2020) da UE para se concentrarem no aumento da eficiência energética nas empresas da UE, e levaram a um investimento de 500 milhões de euros nas organizações que participaram e pouparam 3,5TWh por ano de energia primária, bem como uma redução de 1,1 MtCO2/ano de gases com efeito de estufa.

 

A revisão foi realizada por Ricardo, um consultor global de engenharia, ambiente e estratégia, para a CINEA, a Agência Executiva Europeia para o Clima, Infra-estruturas e Ambiente.

 

A eficiência energética na indústria tem um papel fundamental a desempenhar no cumprimento das metas climáticas da UE para 2030 e 2050 e no cumprimento dos seus objectivos ao abrigo do Acordo de Paris. Cada um dos 41 projectos foi avaliado individualmente, e os impactos (apenas fiáveis e aceitáveis) totalizaram toda a carteira. Os resultados mostram o impacto da realização de mudanças dentro das organizações e a diferença que podem fazer para todos nós na consecução do nosso objectivo comum de redução de emissões.

 

Uma das principais ferramentas para medir o sucesso de um projecto, e para identificar como as actividades do projecto resultaram em impactos reais em termos de redução do consumo de energia da empresa e das emissões de GEE, são os Indicadores Chave de Desempenho (KPIs). A equipa de análise encontrou inconsistência em toda a carteira na forma como os projectos relataram os seus KPIs, se é que o fizeram. Isto tornava difícil identificar o que correu bem e o que poderia ser melhorado. Para resolver este problema, a equipa do estudo realizou uma análise minuciosa dos cálculos dos projectos e reestruturou-os utilizando contributos de entrevistas a partes interessadas, indicadores comuns e fontes de literatura.

 

Como primeiro passo, as actividades, resultados e realizações de cada um dos 41 projectos foram mapeados para assegurar uma compreensão abrangente de cada projecto. Em seguida, as etapas de cálculo dos projectos e os pressupostos que conduziram aos KPIs foram avaliados para identificar lacunas de dados e etapas que poderiam ser melhoradas. A cada etapa e KPI global foi atribuída uma classificação de 'fiável', 'aceitável' ou 'incerto' com base nesta avaliação.

 

Para permitir uma reavaliação homogénea dos KPI em todos os projectos, foi utilizada uma abordagem e um formato normalizados. Isto implicava a desagregação das informações e das etapas de cálculo efectuadas pelos projectos, sempre que necessário. Através desta abordagem, foi desenvolvido um catálogo de etapas, métodos e pressupostos comuns utilizados. Isto permitiu a identificação de factores comuns que tinham sido aplicados aos KPIs reportados pelos projectos.

 

A metodologia de nova estimativa foi desenvolvida de modo a ser suficientemente flexível para se ajustar à maioria dos cálculos dos projectos e de modo a ser comparável entre projectos. Esta abordagem foi impulsionada principalmente pela grande variedade de abordagens adoptadas pelos projectos nos seus cálculos e também pelos diferentes tipos e quantidades de informação disponíveis sobre os impactos dos projectos.

 

Nos casos em que os KPIs já eram considerados fiáveis, o cálculo foi reestruturado para se ajustar ao formato normalizado. Nos casos em que os KPI não foram comunicados ou comunicados com pressupostos e etapas em falta, a abordagem padronizada permitiu à equipa do estudo estimar os impactos ou KPIs gerados por uma actividade para cada projecto. Por exemplo, quanta energia foi poupada como resultado de uma auditoria energética. A utilização da mesma metodologia de cálculo harmonizada entre os projectos permitiu uma melhor comparação dos impactos.

 

Foram utilizados valores de literatura e entrevistas para preencher lacunas de dados, melhorar a compreensão dos cálculos do impacto dos projectos, identificar outros impactos dos projectos e estabelecer até que ponto os impactos dos projectos concluídos tinham sido sustentados e replicados. As entrevistas, realizadas principalmente com coordenadores de projectos e parceiros, facilitaram a compreensão das actividades empreendidas e dos desafios enfrentados por cada projecto, bem como de quaisquer impactos duradouros que se prolongaram para além da vida útil do projecto.

 

O processo de re-estimativa permitiu à equipa do estudo identificar uma série de factores comuns que podem ser levados por diante em futuras análises e estimativas de impactos. A descoberta mais significativa foi a taxa de poupança de energia alcançada através de diferentes actividades. Uma auditoria média realizada pelos projectos rendeu 4,5% de economias de energia para as empresas participantes, enquanto que as actividades e ferramentas de desenvolvimento de capacidades ou de referência rendeu 4,1% e 3,2%, respectivamente. Além disso, uma análise mais aprofundada de mais de 3.500 auditorias realizadas mostrou que uma auditoria média identificou 18% em potenciais economias de energia. Em média, 25% dessas medidas potenciais de poupança de energia foram implementadas pelas empresas.

 

Além disso, a abordagem adoptada permitiu à equipa do estudo desagregar os dados recolhidos e os KPI por tipo de acção ou actividade conducente ao respectivo impacto. As diferenças notáveis identificadas foram que as poupanças de energia dos projectos EIE-II se basearam mais em actividades relacionadas com o reforço de capacidades, enquanto que os projectos H2020 se basearam mais em actividades relacionadas com auditorias. Comparando os impactos das actividades durante e após a vida do projecto, notou-se que as auditorias conduziram a uma maior percentagem da poupança de energia durante o tempo de vida do projecto - para muitos projectos, foi realizado um número significativo de auditorias durante a vida do projecto e relativamente poucas após - enquanto que as actividades de reforço de capacidades e as ferramentas/benchmarking tiveram efeitos após a vida do projecto. As ferramentas e o benchmarking são mais relevantes para projectos que se centram num único sector em comparação com projectos que adoptam uma abordagem trans-sectorial.

 

Os desafios encontrados na execução e subsequente avaliação destes projectos incluíram o envolvimento de PMEs, recolha de dados e qualidade, lacunas identificadas nos relatórios dos projectos, particularmente para projectos mais antigos, onde era menos provável que as entrevistas fossem possíveis para preencher tais lacunas, e lacunas de informação no que diz respeito aos benefícios não económicos das melhorias da eficiência energética. Assim, o estudo procurou reunir recomendações para não só abordar estes desafios em futuros programas, mas também para permitir avaliações de maior qualidade destes programas. O fornecimento de um modelo ou formato normalizado para apresentar a cadeia de impacto desde a actividade ou acção até ao impacto poderia proporcionar maior certeza no que respeita à forma como os impactos foram estimados e o que distingue um projecto de outro.

 

É evidente que o apoio contínuo através de programas financiados continua a ser necessário para assegurar a continuação do progresso na área da eficiência energética para a indústria e serviços na UE, assim como o destaque dado aos benefícios alcançados pelos projectos individuais através de campanhas de comunicação. A promoção de sinergias com outros fundos e esquemas da UE para acompanhar a implementação efectiva das medidas de poupança de energia recomendadas a nível de projecto produziria provas significativamente mais concretas dos impactos destes projectos, e as provas necessárias para partilhar os sucessos e influenciar outras PMEs europeias a levarem a sério a eficiência energética e a introduzirem mudanças. Os projectos de actividade de coordenação e apoio centrados na promoção de melhorias de eficiência energética nas PMEs têm evidentemente contributos significativos a dar para os objectivos de 2030 e 2050, no entanto, continua a existir uma grande lacuna para atingir tais objectivos.

 

Esta avaliação foi realizada por Ricardo PLC, um consultor global de engenharia, ambiental e estratégico para a CINEA, a Agência Executiva Europeia para o Clima, Infra-estruturas e Ambiente. Para o relatório completo, por favor ver aqui.

 


Sobre Alexander Kauffmann

Kauffmann

Alexander Kauffmann trabalha na Política, Estratégia e Prática Económica na Ricardo Energia e Ambiente. No Ricardo trabalha em vários projectos de apoio à tomada de decisões do sector público através da avaliação do impacto sócio-económico e ambiental e da avaliação das políticas relacionadas com os transportes, energia, clima e ambiente. Alexander tem um Mestrado em Ciência dos Materiais do Imperial College de Londres e trabalhou anteriormente na DG Energia da Comissão Europeia como estagiário.


Conteúdo relacionado