Política Nacional e Regional Sistema energético

O hidrogénio da Rússia para o Japão

01 Abril 2020 por Vladimir Vinogradov
O hidrogénio da Rússia para o Japão

A Rússia está pronta a ganhar uma posição de destaque no sector global do hidrogénio no que parece ser uma proposta para ser um fornecedor chave para o Japão, que tem objectivos ambiciosos para a adopção do combustível até 2050.

Os planos do Japão para desenvolver rapidamente instalações de importação de hidrogénio parecem ter levado a Rússia a começar a elaborar planos para uma economia de hidrogénio orientada principalmente para as exportações globais, sugerem os recentes desenvolvimentos no Ministério da Energia da Rússia e as principais empresas de energia.

Tendo sido queimada mais cedo por atrasos na obtenção de uma quota significativa do mercado de GNL, Moscovo parece determinada a aproveitar o que considera ser a próxima grande oportunidade na tecnologia energética.

A grande empresa estatal de petróleo e gás Gazprom anunciou a 20 de Fevereiro que está a procurar produzir hidrogénio a partir do gás natural. Este é apenas o último de uma série de anúncios feitos ao longo dos últimos seis meses.

A Gazprom tinha dito em Setembro de 2019 que estava a discutir as perspectivas de utilização e armazenamento de metano-hidrogénio com a empresa alemã de energia Uniper.

Também em Setembro passado, o colosso da energia nuclear Rosatom disse que tinha lançado um programa para a produção de hidrogénio a partir do excesso de energia nuclear - via electrólise - destinado tanto ao mercado nacional como global. No final do mês, a mesma empresa assinou um acordo com a Agência de Recursos Naturais e Energia do Japão para a realização de um estudo de viabilidade em 2020-2021 para a exportação de hidrogénio da Rússia para o Japão.

No final do ano, o Estado russo também acrescentou o seu peso ao fluxo de interesse em projectos de hidrogénio. O Ministro da Energia Alexander Novak anunciou oficialmente em Dezembro a criação de um grupo de trabalho centrado na concepção de um roteiro para um sistema de energia a hidrogénio na Federação Russa.

O crescente número de anúncios surgiu após uma reunião à porta fechada realizada no final do Verão que reuniu a Novak, representantes de centros de investigação energética e grandes empresas energéticas, incluindo Gazprom, Rosatom, Rostec, e Sibur.

Segundo o jornal russo Vedomosti, que noticiou a reunião citando participantes anónimos, a convenção foi informada por umrelatóriopublicada pela empresa russa de consultoria energética EnergyNet.

O relatório afirma que a Rússia poderia oferecer hidrogénio a um preço de 3,38 dólares por kg já entre 2020-2025 e competir por 10-15% do mercado mundial até 2030.

Na segunda-feira, a S&P Global Platts avaliou o preço com um mês de antecedência do hidrogénio produzido através do processo de reforma do metano a vapor (SMR) na Holanda em Eur 1,1045/kg, incluindo o capex e as emissões de carbono.

A Agência Internacional de Energia (AIE) prevê uma queda de 30% no custo de produção dehidrogénio a partir de energias renováveis- que a Platts ainda não está a avaliar - até 2030.

A base de recursos da Rússia

De acordo com o relatório da EnergyNet, três factores principais permitiriam à Rússia tornar-se um actor líder em hidrogénio: grandes reservas de água doce; excessos de capacidade de geração de energia e potencial para construir mais; e finalmente, a sua proximidade do Japão, onde a economia de hidrogénio se está a desenvolver activamente.

O hidrogénio seria principalmente utilizado nos sectores de transporte e aquecimento da Rússia, mas a maior parte da produção deveria ser destinada à exportação, com a infra-estrutura a imitar o que está actualmente a acontecer com o GNL, sugere o relatório.

Moscovo poderá querer evitar repetir o mesmo atraso que a Rússia sofreu antes de conquistar uma quota significativa do mercado global de GNL. Enquanto em 2009 já estava a encomendar o seu primeiro projecto de GNL, a fábrica Sakhalin-2, localizada no Extremo Oriente da Rússia com 9,6 milhões de tpa de capacidade, Moscovo continuou a concentrar-se em grande parte no gás dos gasodutos nos anos seguintes, especialmente na bacia atlântica, e teve de esperar até 2017 para ver encomendada uma segunda fábrica de GNL, o projecto de GNL Yamal da Novatek.

Nessa altura, a quantidade global de fornecimento de GNL já tinha ultrapassado os 400 Bcm e o mercado global de GNL era dominado pela Austrália, Qatar e, ultimamente, pelos actores norte-americanos.

O Japão dispara a arma inicial

O relatório EnergyNet vê no Japão o destino mais próximo e maior para a potencial produção russa de hidrogénio, e alerta para a concorrência da Austrália, que também está a desenvolver a tecnologia do hidrogénio.

Na ausência de fontes internas de energia primária, o Japão pretende desenvolver um sistema abrangente de hidrogénio para diversificar as fontes de energia e reduzir a carga sobre o ambiente, entre outros objectivos. A Organização Japonesa de Desenvolvimento de Nova Energia e Tecnologia Industrial está concentrada na implementação de testes de cadeias de importação de hidrogénio para o Japão. Em finais de 2019, uma reunião realizada pelo Ministério da Economia, Comércio e Indústria atraiu delegados de 35 países, enquanto o Japão procurava promover o desenvolvimento da energia do hidrogénio a nível mundial.

Em Junho, o gabinete do Japão adoptou uma estratégia de redução de emissões a longo prazo ao abrigo do Acordo de Paris, incluindo o objectivo de o país ser neutro em termos de carbono pouco depois de 2050. A estratégia inclui a redução do custo de produção de hidrogénio sem dióxido de carbono para menos de um décimo dos níveis actuais até 2050. A Tokyo Electric Power Company Holdings do Japão (TEPCO) e a JXTG Holdings em Março de 2019 anunciaram planos para construir uma das maiores estações de reabastecimento de hidrogénio do mundo em Tóquio até meados de 2020.

Na corrida para abastecer o Japão sedento de hidrogénio, a Rússia já pode contar com um projecto-piloto de produção de hidrogénio agora em construção na central hidroeléctrica Ust-Srednekanskaya, a maior central hidroeléctrica da Rússia. A instalação está estrategicamente localizada na região de Magadan, no Distrito do Extremo Oriente, muito perto do Japão.

A Kawasaki Heavy Industries japonesa e a PJSC Magadanenergo russa (parte do grupo estatal RusHydro) são parceiros na central piloto de hidrogénio, que tem como objectivo produzir hidrogénio liquefeito para uso industrial. A estação está programada para atingir a capacidade total até 2024.

Competição australiana

No entanto, à medida que a Rússia puxa as meias para alcançar o mercado do hidrogénio, a Austrália está também a acelerar a sua colaboração com o Japão e a Coreia na produção do combustível.

Os ministros do comércio australianos e japoneses reuniram-se em Melbourne em Janeiro para assinar uma declaração conjunta de cooperação, afirmando o potencial da Austrália como um grande exportador de hidrogénio, tendo o Japão como um dos principais destinatários.

O Conselho Mundial da Energia identificou a Austrália como um "gigante com potencial para se tornar um actor-chave mundial [em hidrogénio]", enquanto a Agência Internacional de Energia projectou que a Austrália poderia facilmente produzir o equivalente a 100 milhões de toneladas de petróleo em hidrogénio para exportação, o suficiente para substituir 3% do consumo global de gás.

O acordo prevê que a Austrália e o Japão continuem a cooperar no projecto HESC (Hydrogen Energy Supply Chain) em Victoria, um esforço em direcção à primeira cadeia internacional de fornecimento de hidrogénio líquido do mundo.

Ministro dos Recursos e do Norte da Austrália, Matt Canavan,referido num comunicado de imprensa de Janeiroque a Austrália e o Japão estão bem posicionados para maximizar as oportunidades apresentadas pelo hidrogénio, com base numa longa história de sucesso no comércio de energia e recursos.

"A Austrália está a construir uma base de produção de hidrogénio para fomentar o crescimento interno e satisfazer a futura procura de exportação no Japão e na região", disse Canavan.

"As oportunidades são grandes". Cenários desenvolvidos para a Estratégia Nacional de Hidrogénio indicam que uma indústria australiana de hidrogénio poderia gerar cerca de 8.000 empregos e cerca de 11 mil milhões de dólares por ano em PIB até 2050", acrescentou.

A Europa em cena

Enquanto o Japão é visto como o principal comprador potencial do hidrogénio russo, Moscovo parece igualmente interessado em abastecer os mercados europeus de energia sem carbono.

Um dos maiores projectos da Gazprom actualmente em construção, o gasoduto Nord Stream 2 de 55 bcm/y, que percorre 1.200 km desde a Rússia até à Alemanha em águas offshore, é capaz de transportar hidrogénio, disse o secretário-geral da Eurogas, James Watson, à imprensa no final de Dezembro.

Com o custo de produção de hidrogénio a cair drasticamente nos próximos anos, os esforços da Rússia hoje em dia podem ser cruciais para se estabelecer como um actor importante no mercado global. Mas o seu sucesso, bem como o de outros produtores, dependerá também dos principais mercados consumidores para evoluir rapidamente e criar sistemas de hidrogénio unidos.

 


Sobre Vladimir Vinogradov

Vinogradov

Vladimir Vinogradov é proprietário e fundador da WOGNEWS, Global Energy Market Climate Change News, portal de informação pública disponível sobre o mercado global de energia e as alterações climáticas. O portal contém mais de 10.000 documentos em formato de texto, vídeo e fotografia desde Janeiro de 2014.


Conteúdo relacionado