Projectos ETS Gestão de Energia Recuperação de Energia & DHC

As indústrias europeias com utilização intensiva de energia a enfrentarem a crise da cobiça enquanto tentam manter-se no caminho sustentável

22 Outubro 2020 por Rod Janssen
As indústrias europeias com utilização intensiva de energia a enfrentarem a crise da cobiça enquanto tentam manter-se no caminho sustentável

A indústria europeia tem hoje em dia desafios significativos. Temos a sorte de a União Europeia fornecer um quadro político sólido para a indústria que cobre muitos temas: as alterações climáticas, a eficiência energética, as energias renováveis, a poluição atmosférica, a economia circular, a segurança energética, a eficiência dos recursos, a descarbonização (ou neutralidade de carbono) e a competitividade sendo os mais relevantes. Actualmente, todos os europeus têm também de enfrentar a crise da COVID-19 e uma economia paralisada de forma significativa. Há também discussões no seio das instituições da UE e através de várias consultas sobre o pacote de recuperação e o que isso significará para a indústria, a economia e a sociedade em geral. Existem também vários instrumentos políticos para ajudar a indústria.

 

 

 

A grande indústria na Europa tem sido obrigada a realizar auditorias obrigatórias regulares, conforme exigido pela Directiva de Eficiência Energética da UE de 2012. Agora, deveriam ter sido realizadas duas auditorias. Estas auditorias fornecem provas do que pode e deve ser empreendido nas empresas para melhorar o seu desempenho energético. No entanto, não estamos a assistir a novos investimentos significativos.

 

 

 

Importantes associações industriais de toda a Europa estão a levar a sério todas estas questões. Como exemplo, a Associação Europeia do Cimento produziu os seus Roteiro da Neutralidade de Carbono 2050 no passado mês de Maio. A Associação Europeia do Aço produziu Um acordo verde sobre o aço, prioridades para a transição da UE para a neutralidade do carbono e circularidade em Fevereiro. A European Aluminium produziu este ano o Plano de Acção do Alumínio Circular, Uma Estratégia para Alcançar o Potencial Completo do Alumínio para a Economia Circular até 2030. E em Novembro de 2019, o Grupo de Alto Nível da Comissão Europeia para as Indústrias Energéticas Intensivas produziu o seu Plano Director para uma transformação competitiva das indústrias intensivas em energia da UE, permitindo uma economia circular e neutra para o clima até 2050. A Fundação para o Isolamento Industrial da Energia acaba de publicar o seu Livro Branco sobre a Indústria de Descarbonização com Retorno Rápido. Poder-se-ia continuar, mas isto dá uma indicação do nível de compromisso e de acção.

 

 

 

A Comissão Europeia está também a prestar um apoio considerável a abordagens inovadoras para melhorar a eficiência energética e utilizar mais energias renováveis, a fim de descarbonizar a indústria. Isto é incrivelmente importante para demonstrar tecnologias e técnicas, para obter a adesão das empresas participantes, para reforçar o impulso para a modernização e digitalização, e para manter alguma dinâmica durante a actual crise.

 

 

 

Parte do financiamento para as indústrias de energia intensiva é canalizado através da A.SPIRE. A.SPIRE é a Associação Europeia empenhada na gestão e implementação da Parceria Público-Privada SPIRE. Representa indústrias de processo inovador, 20% do total do sector industrial europeu em termos de emprego e volume de negócios, e mais de 150 intervenientes no processo industrial e de investigação de mais de uma dúzia de países espalhados por toda a Europa. Um projecto SPIRE em que a EEIP está envolvida chama-se RETROFEED.

 

 

 

O principal objectivo do RETROFEED é permitir a utilização de uma matéria-prima cada vez mais variável, de base biológica e circular nas indústrias de processo através da adaptação do equipamento principal e da implementação de um sistema avançado de monitorização e controlo e fornecer apoio aos operadores da fábrica através de um Sistema de Apoio à Decisão (DSS) que cobre a cadeia de produção. Esta abordagem será demonstrada em cinco REII (nomeadamente cerâmica, cimento, alumínio, aço e agroquímico) com potencial para atingir em média um aumento de 22% na eficiência dos recursos e 19% na eficiência energética, com uma consequente redução de custos e emissões de GEE de 9,3 milhões de euros e 135 kton de CO2, respectivamente. O projecto deverá ter uma duração de 3,5 anos.

 

 

 

Para que RETROFEED faça parte das soluções para alcançar os objectivos energéticos e climáticos a longo prazo da Europa e ajude a cumprir as obrigações do nosso Acordo de Paris, um esforço significativo tem de ser o de levar a experiência e os ensinamentos deste projecto e desenvolver ferramentas herdadas dos ensinamentos de implementação para metodologias de replicação. Os benefícios reais começam quando essas aprendizagens podem ser duplicadas em muitas empresas em toda a Europa e a nível global.

 

 

 

Mais será explicado ao longo da execução deste projecto. Entretanto, continuamos a observar o nosso sítio web e a seguir-nos no Twitter.

 

 

 

Para mais informações sobre o RETROFEED, por favor contacte-nos:

 

- Dra. Ana Isabel Gonzalez Espinosa (CIRCÉ - Coordenadora do Projecto RETROFEED) aigonzalez(at)fcirce.es

 

- Dr Diego Redondo Taberner (CIRCÉ - Gestor do Projecto RETROFEED) dredondo(at)fcirce.es

 

- Marianna Santavenere (EEIP - RETROFEED Comunicação e Divulgação) marianna.santavenere(at)ee-ip.org

 

 

 


Sobre Rod Janssen

Janssen

Rod Janssen é o Presidente da Eficiência Energética em Processos Industriais (EEIP). Rod é também membro de vários Grupos de Direcção e conselhos como o Grupo de Direcção do ICP Europe, o conselho consultivo do SEIF e o conselho da ECEEE.


Conteúdo relacionado