Política & Regulação Finanças

Reflexões sobre o recente plenário do EEFIG 2020

07 Maio 2020 por Rod Janssen
Reflexões sobre o recente plenário do EEFIG 2020

A 18 de Fevereiro, o Grupo de Instituições Financeiras de Eficiência Energética (EEFIG) realizou a sua sessão plenária anual em Bruxelas. O EEFIG foi criado em 2013 pela Direcção-Geral de Energia da Comissão Europeia (DG Energia) e pela Iniciativa Financeira do Programa das Nações Unidas para o Ambiente (UNEP FI) como um esforço para criar um diálogo aberto e uma plataforma de trabalho. Os fundadores acreditam que a criação da EEFIG representa a primeira vez que tal diálogo e plataforma de trabalho foi estabelecida entre a Comissão e o sector financeiro sobre o tema do financiamento da eficiência energética.

 

 

 

O plenário foi concebido para proporcionar aos participantes uma combinação de discursos de abertura sobre os mais recentes desenvolvimentos políticos e de mercado, discussões de painel de alto nível sobre questões actuais no financiamento da eficiência energética e actualizações sobre as actividades em curso e planeadas do EEFIG.

 

 

 

Esta é a terceira fase do EEFIG desde 2013. A primeira fase terminou com a entrega de um relatório que fornecia recomendações às instituições da UE, aos governos e à indústria financeira sobre como avançar para assegurar um financiamento suficiente para a eficiência energética, para assegurar que o sector financeiro está mais capacitado para avaliar e apoiar medidas de eficiência energética e para ultrapassar barreiras em qualquer parte do ciclo do projecto que frustram os investimentos necessários. Estas recomendações a partir de 2015 são ainda revistas e constituem a base do programa de trabalho.

 

 

 

A segunda fase baseou-se em algumas das recomendações para apoiar principalmente as instituições financeiras através da criação de uma base de dados de fonte aberta para monitorização e aferição do desempenho dos investimentos em eficiência energética (a Plataforma de Eficiência Energética EEFIG De-risking ou "DEEP"). Houve também o desenvolvimento de um quadro comum, aceite e normalizado de subscrição e investimento para investimentos em eficiência energética (o EEFIG Underwriting Guidance - Value and risk appraisal framework for energy efficiency finance and investments).

 

 

 

Agora com a terceira fase, os objectivos expandiram-se em grande parte porque os objectivos de eficiência energética a longo prazo da UE se tornaram mais ambiciosos. Tal ambição exige acções a muitos níveis para assegurar que haja medidas suficientes financiadas e implementadas. Agora, com o Acordo Verde Europeu, haverá uma necessidade ainda maior de que todos os interessados aumentem o seu compromisso para com uma maior eficiência energética.

 

 

 

Todos os participantes no plenário sabiam que o contexto está a mudar e que teriam de olhar para dentro do que a sua própria organização pode fazer para apoiar o esforço global. Se não estivessem convencidos quando entraram na sala, deveriam ter estado quando saíram.

 

 

 

Mensagens de boas-vindas de Claudia Canevari da DG Energia e Eric Usher da UNEP FI foram seguidas por dois importantes oradores principais.

 

 

 

Hans Van Steen, Director Interino de Energias Renováveis, Investigação e Inovação, Eficiência Energética na DG de Energia, abriu o cenário explicando que o Acordo Verde está agora em cima da mesa e que este estabelece objectivos claros de neutralidade de carbono. Ele sublinhou que se trata de uma transição. O desafio para a comunidade da eficiência energética é que o consumo de energia na Europa precisa de ser reduzido para metade e que é necessário um investimento significativo - aproximadamente 250 mil milhões de euros por ano), o que significa que o investimento na eficiência energética precisa de ser integrado e ele explicou algum do apoio disponível através da União Europeia. Finalmente, ele sublinhou que o Green Deal é uma transformação da sociedade. Isto não pode ser suficientemente salientado.

 

 

 

O segundo orador principal foi Andrew McDowell, Vice-Presidente do Banco Europeu de Investimento. O banco tem estado a passar pela sua própria transição e posicionou-se como o Banco Climático da UE. O Sr. McDowell explicou como o banco desenvolveu uma nova política de empréstimos energéticos em 2019 com um grande empenho na eficiência energética em primeiro lugar. Deixou aos participantes seis observações prospectivas:

 

  1. Uma dívida barata não é suficiente, precisamos de um quadro político forte (preços do carbono e normas de construção;
  2. Precisamos de encontrar formas mais eficientes de misturar subvenções com dívidas, em particular para os proprietários de habitações;
  3. Precisamos de fazer crescer o mercado de ESCO e isto necessita de apoio político, incluindo nos ministérios das finanças;
  4. Precisamos de defensores da eficiência energética em todas as instituições financeiras;
  5. Precisamos de apoio consultivo com bons recursos; e
  6. Precisamos de reabrir o mercado de titularização na Europa, em particular para as hipotecas verdes (GRMBS).

 

 

 

Realizaram-se duas sessões de painel. A primeira, moderada por Peter Sweatman, relator da EEFIG, relacionou-se com o trabalho em curso e planeado dos grupos de trabalho da EEFIG. Estes grupos incluem taxonomia e green tagging, melhores práticas financeiras, múltiplos benefícios e indicadores de desempenho energético a nível de activos. Houve breves apresentações sobre todos eles. A maior parte do trabalho, para além da taxonomia, está apenas na fase inicial. As actividades do grupo de trabalho sobre a indústria não foram incluídas no plenário, uma vez que se encontravam nas fases iniciais de implementação. Os resultados de todos os grupos de trabalho serão utilizados pelas instituições da UE, instituições financeiras e outras partes interessadas para reforçar o seu caminho em frente.

 

 

 

O segundo painel, moderado por Carel Cronenberg, do BERD, incidiu sobre o papel da eficiência energética no contexto das acções dos intermediários financeiros para descarbonizar as suas carteiras. O painel incluiu representantes de quatro instituições financeiras:

 

  • Karen Degouve, de Natixis,
  • Murray Birt da DWS Asset Management,
  • Sasja Beslik de J. Sofra Sarasin Asset Management e
  • Itske Lulof do Banco Triodos.

 

Embora sejam fornecidos detalhes aos membros da EEFIG, há um ponto que realmente se destaca. Sasja Beslik mencionou que num inquérito que fizeram a 3000 empresas na UE, apenas 170 estavam alinhadas com o Acordo Climático de Paris. No entanto, os membros do painel também explicaram o que a sua instituição está a fazer e como podem aumentar a sua escala.

 

 

 

Peter Sweatman, relator da EEFIG, apresentou os resultados de um inquérito aos membros da EEFIG, realizado no Outono passado. O inquérito mostrou o nível de interesse dos membros e os resultados estão a ser utilizados pela Comissão, em particular, uma vez que esta recomenda novas actividades e grupos de trabalho no âmbito do EEFIG.

 

 

 

Diana Barglazan, chefe da equipa da unidade de eficiência energética e política da DG Energia encerrou a reunião, expressando o apreço por todos os oradores e por todas as intervenções dos participantes.

 

 

 

Como a reunião terminou, como de costume, muitos tiveram de se apressar para outras reuniões. Sim, é Bruxelas. Mas foi encorajador ver os muitos que ficaram, e em grupos de vários tamanhos, continuaram a reflectir sobre pontos que tinham ouvido. A plataforma de diálogo iniciada há sete anos mostrou que é mais necessária do que nunca se quisermos assumir o desafio do Acordo Verde Europeu.

 

 

 

 

 

Rod Janssen é Presidente da Eficiência Energética em Processos Industriais, membro da EEFIG, e parte do Consórcio que implementa a terceira fase da EEFIG

 


Sobre Rod Janssen

Janssen

Rod Janssen é o Presidente da Eficiência Energética em Processos Industriais (EEIP). Rod é também membro de vários Grupos de Direcção e conselhos como o Grupo de Direcção do ICP Europe, o conselho consultivo do SEIF e o conselho da ECEEE.


Conteúdo relacionado