ETS Finanças

A indústria siderúrgica europeia e a necessidade de descarbonizar

19 Agosto 2020 por Rod Janssen
A indústria siderúrgica europeia e a necessidade de descarbonizar

Um artigo recente de Ben Jones no Financial Times (A indústria siderúrgica europeia precisa de um plano credível para se tornar verde(6 de Agosto de 2020) discutiu os problemas que a indústria do aço está a ter na redução da sua pegada de carbono. Os custos foram proibitivos. ArcelorMittal , o maior fabricante de aço da Europa, advertiu que a descarbonização das suas operações custaria até 40 mil milhões de euros. Há pedidos de apoio público. Como Jones explica, o nível de despesas de capital está para além de uma indústria que luta com margens estreitas e dívidas pesadas. Ele prossegue, dizendo que "uma mudança para tecnologias de baixo carbono exigiria provavelmente um preço de carbono hoje de pelo menos 100 dólares por tonelada de C02 para promover uma mudança para tecnologias de produção de aço de baixo carbono".

 

 

 

Jones levanta a questão de saber se os consumidores exigirão aço "mais verde" e estarão dispostos a pagar por ele. Neste momento, não existe mercado para produtos com baixo teor de carbono e os produtos com baixo teor de carbono são frequentemente vendidos numa cadeia de produtos de fabrico ou incorporados em produtos. Tudo isto torna, no mínimo, complicado.

 

 

 

Qual é o papel do governo? Os subsídios são necessários de alguma forma. Jones salienta também que a Comissão Europeia planeia agora "nivelar as condições de concorrência", impondo uma tarifa sobre o carbono incorporado no aço importado. Sem dúvida, existe um delicado acto de equilíbrio para o interesse tanto dos consumidores como dos produtores.

 

 

 

AEUROFER, a associação que representa a indústria siderúrgica europeia, saiu em Fevereiro com a sua própria posição sobre a descarbonização e o que precisava dos decisores políticos. Quanto ao financiamento, afirmou: "Os produtores de aço da UE enfrentam não só os custos de conformidade do RCLE-UE (25 euros por tonelada de CO2 em Outubro de 2009), mas também os custos totais de redução. Estes custos podem ser mais de dez vezes superiores ao custo actual da conformidade por tonelada de CO2 abatido. Os mercados do aço não tolerarão a respectiva repercussão dos custos e, por conseguinte, é necessário um quadro jurídico global para abordar ambas as questões".

 

 

 

Sem dúvida que haverá algumas escolhas difíceis, mas não há escolha de que a descarbonização tenha de continuar.

 

 

 

Há algumas iniciativas que irão ajudar.

 

 

 

Em Março de 2020, a Comissão publicou a sua estratégia industrial. Haverá "medidas abrangentes para modernizar e descarbonizar as indústrias intensivas em energia, apoiar indústrias de mobilidade sustentável e inteligente, promover a eficiência energética, reforçar as actuais ferramentas de fuga de carbono e assegurar um fornecimento suficiente e constante de energia com baixo teor de carbono a preços competitivos". A estratégia inclui uma estratégia dedicada às pequenas e médias empresas (PME) que visa reduzir a burocracia e ajudar as numerosas PME europeias a fazer negócios em todo o mercado único e não só, aceder ao financiamento e ajudar a liderar as transições digitais e ecológicas.

 

 

 

Há mais em curso para promover a eficiência energética industrial na Europa. O Grupo de Instituições Financeiras de Eficiência Energética (EEFIG ) realizou recentemente a sua primeira reunião do Grupo de Trabalho sobre Indústria, comigo como líder de equipa. Trabalhando durante os próximos anos, este grupo de trabalho avaliará as práticas industriais que tratam da eficiência energética, identificará e avaliará os principais obstáculos e motores para melhorar a eficiência energética na indústria, identificará as melhores práticas, e fornecerá recomendações à DG ENERGY sobre quais as ferramentas e instrumentos políticos mais eficazes para aumentar os investimentos em eficiência energética na indústria. O Grupo de Trabalho abordará vários aspectos da eficiência energética nas indústrias de utilização intensiva de energia e nas PME industriais e indústrias não intensivas em energia. É importante notar que este grupo irá energizar as partes interessadas.

 

 

 

 

 

A Comissão Europeia tem também apoiado projectos para testar novas tecnologias e técnicas para melhorar o desempenho energético. O RETROFEED é apenas um exemplo. Fornece um pacote interessante. O principal objectivo de RETROFEED é permitir a utilização de uma matéria-prima cada vez mais variável, de base biológica e circular nas indústrias de processo, através da reconversão do equipamento principal e da implementação de um sistema avançado de monitorização e controlo, e fornecer apoio aos operadores da fábrica através de um DSS - Sistema de Apoio à Decisão - cobrindo a cadeia de produção. Haverá investimento significativo para testar o sistema em diferentes sub-sectores industriais. É importante notar que dois dos seis locais de demonstração se situam no sector do aço.

 

 

 

Para mais informações sobre o RETROFEED, queira contactar:

 

 

 

- Dra. Ana Isabel Gonzalez Espinosa (CIRCÉ - Coordenadora do Projecto RETROFEED)aigonzalez(at)fcirce.es

 

- Dr Diego Redondo Taberner (CIRCÉ - Gestor do Projecto RETROFEED)dredondo(at)fcirce.es

 

- Sra. Marianna Santavenere (EEIP - RETROFEED Comunicação e Divulgação)marianna.santavenere(at)ee-ip.org

 

 

 


Sobre Rod Janssen

Janssen

Rod Janssen é o Presidente da Eficiência Energética em Processos Industriais (EEIP). Rod é também membro de vários Grupos de Direcção e conselhos como o Grupo de Direcção do ICP Europe, o conselho consultivo do SEIF e o conselho da ECEEE.


Conteúdo relacionado